Amor Fati e o fluxo da vida

Amor Fati e o fluxo da vida

“Minha fórmula para a grandeza em um ser humano é amor fati: a pessoa não quer que nada seja diferente, nem para frente, nem para trás, nem em toda a eternidade. Não é meramente suportar o que é necessário, menos ainda dissimular, mas amar o acontecido”.

— Nietzsche

Expressada na filosofia de Friedrich Nietzsche, essa linha de pensamento gira em torno de aceitar integral e profundamente a vida e o destino humano, mesmo em seus aspectos mais cruéis e dolorosos, ou seja, de amar verdadeiramente o que a vida propõe.

Importante esclarecer que aceitar não implica em se vitimizar.

Trata-se de aceitar, abraçar e integrar o que acontece, mas sem excluir a nossa responsabilidade de continuar seguindo em frente. Aceitar o fluxo da vida sem reclamar e esperar passivamente que algo irá acontecer da maneira que quer ou que acha que merece.

Não apenas tolerar ou aceitar de forma passiva, mas ao contrário, aceitar de forma a enfrentar (estar de frente para) e se inclinar em direção ao que está acontecendo.

Isto porque aceitar seria o primeiro passo para poder tomar uma posição/decisão e progredir.

De acordo com o imperador romano Marco Aurélio, o que é jogado em cima do fogo vira combustível para o fogo.

Quando nos deparamos com situações de crise ou de grande desafio, como quando perdemos uma pessoa querida, quando ficamos presos por horas em um engarrafamento ou terminamos um relacionamento, normalmente perdemos a perspectiva do todo e nos desequilibramos emocionalmente. Porém, nenhuma quantidade de raiva, ressentimento ou tristeza vai alterar o que já aconteceu.

Desta forma, aprender a lidar com as próprias emoções é um requisito para aplicar ou expressar amor fati, pois apenas quando você consegue gerenciar a si mesmo, você é capaz de apreciar o que lhe acontece, seja algo que rotule ser positivo ou negativo. É um exercício diário de regulação emocional onde o propósito não é se livrar das emoções, mas administrá-las para buscar responder ao ocorrido de forma mais apropriada.

Segundo o Epiteto: “Não busques que os acontecimentos aconteçam como queres, mas querei que aconteçam como acontecem, e tua vida terá um curso sereno”.

Ao fazer isso com cada obstáculo que se apresenta em nossas vidas, seja grande ou pequeno, justo ou não, escolhido ou não, trágico ou apenas triste, de maneira espontânea, teríamos alcançado a grandeza e elevado o nosso espírito, segundo Nietzsche: AMOR FATI!

Nós temos o poder de fazer ou não o melhor da nossa jornada! Podemos escolher amar a vida intensamente, usar o que acontece a nosso favor e seguir nossa jornada transformando o mundo através da nossa própria mudança!

 

Deixe um comentário

5 × 1 =